quinta-feira, 8 de março de 2018

Resenha - O Incêndio de Troia


Livro: O Incêndio de Troia
Autora: Marion Zimmer Bradley
Editora: Imago
Páginas: 517
Duração da leitura: 3 dias
Avaliação: 💛💛💛 (3/5) 

O livro da Marion Zimmer Bradley teve inspiração na Ilíada de Homero, que retrata a Guerra de Troia. A história é focada na vida de Kassandra, irmã gêmea de Páris e sacerdotisa do Templo de Apolo. 

Kassandra é uma princesa que desde pequena tem visões sobre o futuro e consegue partilhar a mente de seu irmão Páris, que foi exilado de Troia por causa de uma previsão em que causaria a destruição da cidade. Justamente por essas visões, os pais a mandam para sua tia Pentesileia, uma guerreira amazona que a ensina tudo sobre guerras e sobre como as mulheres deveriam ser independentes.

Após um tempo vivendo com as amazonas, ela volta para sua família e o Deus Apolo a reclama como sacerdotisa. Sendo assim ela deve ser uma virgem prometida ao deus. Durante a história ela se recusa a deitar com ele e é amaldiçoada. Todos irão desacreditar em suas profecias e ela será obrigada a ver a destruição de Troia sem poder fazer nada. E essa maldição foi uma das coisas que mais me irritou na história. Ela fazia uma previsão, acertava e aí o pessoal começava a pensar assim “por que não acreditamos nela?”, aí passa algum tempo, ela faz uma previsão e ninguém acredita nela de novo. A história vai assim do início ao fim e eu tive muita vontade de socar os personagens por isso. Na verdade Eneias e em alguns momentos, Heitor, acreditavam nela.

Além disso, Kassandra tem outra desavença com o deus. Durante o tempo em que vivera com as amazonas, aprendera a ser uma pessoa de espírito livre, pois era assim que a Grande-Mãe, deusa das amazonas, desejava que as mulheres fossem. E ao chegar ao templo de Apolo, ela tem que viver rebaixada e se submeter aos desejos do deus.

Quando volta, conhece Páris, que acaba de ser reconhecido como filho legítimo do casal real Hécuba e Príamo. Por medo de perder sua posição como herdeiro do trono, Heitor faz com que seu irmão vá a Esparta em uma missão de paz, de onde volta com Helena. Helena não é a tirana que conhecemos, é uma boa moça apaixonada por Páris que foge com ele para viver o seu amor. Ela se torna amiga de Kassandra apesar de a mesma não ter gostado de Helena quando ela chegou a Troia e ter implorado a seus pais que a mandassem de volta para Menelau, seu marido.

Justamente pela fuga de Helena, os akaios se reúnem e proclamam guerra contra Troia. Após anos de guerra e fúria dos deuses, Troia chega ao seu fim.

Primeiramente tenho que dizer que a escrita da Marion me agrada muito, já li a série As Brumas de Avalon e adoro esse foco que ela dá aos personagens femininos. A leitura flui e se você tiver tempo acaba lendo em pouco tempo, apesar de o livro ser grandinho.

A história teve vários pontos positivos, como por exemplo, o romance de Eneias e Kassandra. Eu aguardei ansiosamente até o momento em que isso iria acontecer, desde a parte em que Eneias vai conhecer sua esposa e acha que a mesma é Kassandra e ela diz que se casaria com ele, se a irmã não fosse a noiva e ela fosse prometida a Apolo. Como ela é um espírito livre, se ela disse que casaria, é porque na certa ia surgir um romance.

Mas também teve pontos negativos como o final. Eu simplesmente não consigo aceitar que o fim de Kassandra seja o mesmo que eu li. Ela sofreu tanto durante a guerra e principalmente depois, de uma forma que eu esperava outro fim pra ela. Algo mais feliz e amoroso, mas não é isso que acontece.

De qualquer jeito, não posso reclamar do fim já que este provavelmente foi o fim dela mesmo. Todas as histórias dela que vimos até hoje, são apenas histórias. Já Marion fez toda uma pesquisa baseada em provas arqueológicas, ou seja, grande parte de sua história, ou pelo menos o final, é fundamentada na verdade.

O livro perdeu pontos comigo por causa do final, que como disse eu não gostei e também, porque está cheio de erros ortográficos, como por exemplo “cazamenos” e “mostros”, nas páginas 168 e 53. É o primeiro livro que leio e encontro problemas desse tipo. Fora esses detalhes, o livro é muito cativante.

E você, já leu o Incêndio de Troia? Se sim, me conta o que achou!

Um comentário:

  1. Gostei da resenha!

    É uma pena, mas vários livros estão vindo com problemas de digitação e ortografia, mostra um descaso com o trabalho e com os leitores.

    ResponderExcluir